Rua Aguapei, 46 - Jardim Anália Franco

Tatuapé - Zona Leste - São Paulo - SP

(11) 3123-5599

RE: 3434-SP

© 2023 by Appartdesign.com

Dr. Douglas Rocha Russo

Ortopedia e Traumatologia Especialista

em Cirurgia de Pé e Tornozelo

O Tratamento por ondas de choque é um método não invasivo utilizado nas inflamações crônicas das inserções de músculos ou tendões, calcificações e no retardo de consolidação de fraturas. Este método, foi inicialmente utilizado na urologia para fragmentação de cálculos renais com resultados surpreendentes.

 Atualmente foi desenvolvido um tipo de aparelho específico destinado para patologias ortopédicas, que consiste na propagação de ondas acústicas de baixa, média e alta energia que se propagam através dos tecidos até a região da dor. Ali determinam a formação de microbolhas que alteram a consistência do tecido abordado, levando a um aporte maior de vasos sanguíneos e estimulando a cura das lesões.

O seu maior benefício está nas patologias ortopédicas crônicas, em que os métodos conservadores como: anti-inflamatórios, fisioterapia, infiltrações e outros, não tenham surtido efeito com este método pode-se, em determinados casos, evitar o tratamento cirúrgico.

As doenças ortopédicas em que ele é mais aplicado são: tendinite calcârea do ombro, epicondilite (cotovelo do tenista ou golfista), fasceíte plantar (com ou sem esporão do calcâneo), tendinite do Aquiles, tendinite patelar, bursite do quadril, síndrome miofacial (pontos dolorosos localizados na região da coluna dorsal, cervical ou lombar), retardo de consolidação de fraturas (pseudoartroses), necrose óssea avascular. Utilizado na medicina esportiva na prevenção e tratamento de lesões musculares e tendíneas, recuperando os atletas com maior velocidade e sem a necessidade do uso de medicamentos e seus efeitos colaterais, pelo contrário estimulando a cura destes tecidos comprometidos. 

O tratamento consiste no mínimo de três sessões semanais. O tempo da aplicação não leva mais que 15 minutos, executado por médico habilitado. Em 30 dias após a primeira aplicação, aproximadamente 80 % dos pacientes sentem pouca ou nenhuma dor.